Suspeito de ter ajudado o exército Nazi na perseguição aos judeus, cometendo diversos crimes, Laszlo Csatary foi, na passada terça-feira, acusado.

Conhecida por «caçar» elementos do nazismo, a lista de Simon Wiesenthal Center continha o nome de Laszlo Csatary. Foi, em 1948, culpado por torturar judeus e ajudar a deportá-los para campos de concentração, beneficiando da sua posição de polícia na cidade de Kosice, Eslováquia, ocupada pelo nazismo. Cerca de 12.000 judeus foram enviados para campos de concentração, nomeadamente para Auschwitz.

Procurado durante décadas, o suspeito foi, em julho do ano passado, capturado pelas autoridades da Hungria em Budapeste e foi acusado com pena de morte, tendo negado qualquer culpa, ficando condenado a prisão domiciliária.

Em março do presente ano, o tribunal da Eslováquia alterou a pena de morte para prisão perpétua. Em abril, os termos da detenção foram também alterados para uma proibição de sair do território húngaro, embora o Ministério Público tenha recorrido para o voltarem a condenar a prisão domiciliária.

«É culpado pela execução e tortura de pessoas, cometendo crimes de guerra, alguns agindo de forma isolada, outros enquanto cúmplice», refere Bettina Bagoly, representante do chefe do Ministério Público de Budapeste, à NBC News.