A organização Human Rights Watch (HRW) instou os governos a acabarem imediatamente com os «testes de virgindade», como recomendou no mês passado a Organização Mundial de Saúde (OMS).

«As autoridades de saúde em todo o mundo devem pôr fim à prática dos «testes de virgindade» em todas as ocasiões, além de proibir que profissionais de saúde perpetuem esta prática discriminatória e degradante», declarou Liesl Gerntholtz, diretora para os direitos das mulheres na HRW, citada num comunicado da organização de defesa dos direitos humanos.

A recomendação da OMS está incluída num manual intitulado «Cuidados com a saúde de mulheres submetidas à violência pelo parceiro íntimo ou violência sexual», que sublinha que «qualquer exame físico só deve ser conduzido com o consentimento esclarecido da paciente e deve ser focado em determinar a natureza dos cuidados médicos necessários» e conclui que os «testes de virgindade» não possuem qualquer validade científica, adianta o comunicado que a Lusa cita.