logotipo tvi24

Wikileaks: Hugo Chávez tem dois anos de vida

E-mails intercetados relatam diagnósticos médicos

Por: Redacção / PP    |   2012-02-28 15:43

Hugo Chávez tem dois anos de vida, avança o jornal espanhol «El País» esta terça-feira. Na base da informação está um conjunto de emails divulgados pelo Wikileaks.

Os emails, agora tornados públicos, pertencem à empresa de segurança privada norte-americana, Stratfor Global Intelligence. Nos documentos, pode ler-se que os médicos russos e cubanos que atenderam o presidente venezuelano Hugo Chávez em Junho do ano passado, lhe deram entre um a dois anos de vida, antes de lhe retirarem um tumor.

Recorde-se que Hugo Chávez terá sido operado uma segunda vez, em Cuba, nos últimos dias. No entanto, ainda não há informações oficiais sobre o seu estado de saúde.

Nas missivas eletrónicas agora conhecidas, os médicos russos afirmam que os cubanos não têm o equipamento necessário para tratar o presidente venezuelano e, acrescentam, que a primeira cirurgia foi «incorreta». Por isso mesmo, a equipa de clínicos russos terá sido chamada para uma segunda intervenção e efetuar a remoção total do tumor.

A zona do corpo onde o cancro que atinge Chávez se situa, é outro dos temas abordado nos emails. Terá começado na próstata e estendendo-se para o cólon. Mais tarde propagou-se para os nódulos linfáticos, chegando à medula óssea.

Partilhar
EM BAIXO: Hugo Chávez aparece de cabeça rapada [Reuters]
Hugo Chávez aparece de cabeça rapada [Reuters]

Mãe morde cão para salvar bebé de ataque
«Uma mãe faz tudo o que pode», disse Chelsi Camp
Presidenciais: Afeganistão atrasa anúncio dos resultados
Resultados vão ser anunciados no próximo sábado
Sudão do Sul: EUA condenam violência contra civis
Registaram-se ataques a bases da missão da ONU e um massacre de civis na cidade de Bentiu
EM MANCHETE
«Fatura da Sorte» ajuda Fisco
Há mais 176 mil empresas a declarar atividade às Finanças. Dados mostram que os contribuintes estão a pedir cada vez mais faturas com NIF
Universidades privadas perderam um quarto dos alunos
Magistrados não vão marcar julgamentos depois de Agosto