logotipo tvi24

Wikileaks: Hugo Chávez tem dois anos de vida

E-mails intercetados relatam diagnósticos médicos

Por: Redacção / PP    |   2012-02-28 15:43

Hugo Chávez tem dois anos de vida, avança o jornal espanhol «El País» esta terça-feira. Na base da informação está um conjunto de emails divulgados pelo Wikileaks.

Os emails, agora tornados públicos, pertencem à empresa de segurança privada norte-americana, Stratfor Global Intelligence. Nos documentos, pode ler-se que os médicos russos e cubanos que atenderam o presidente venezuelano Hugo Chávez em Junho do ano passado, lhe deram entre um a dois anos de vida, antes de lhe retirarem um tumor.

Recorde-se que Hugo Chávez terá sido operado uma segunda vez, em Cuba, nos últimos dias. No entanto, ainda não há informações oficiais sobre o seu estado de saúde.

Nas missivas eletrónicas agora conhecidas, os médicos russos afirmam que os cubanos não têm o equipamento necessário para tratar o presidente venezuelano e, acrescentam, que a primeira cirurgia foi «incorreta». Por isso mesmo, a equipa de clínicos russos terá sido chamada para uma segunda intervenção e efetuar a remoção total do tumor.

A zona do corpo onde o cancro que atinge Chávez se situa, é outro dos temas abordado nos emails. Terá começado na próstata e estendendo-se para o cólon. Mais tarde propagou-se para os nódulos linfáticos, chegando à medula óssea.

Partilhar
EM BAIXO: Hugo Chávez aparece de cabeça rapada [Reuters]
Hugo Chávez aparece de cabeça rapada [Reuters]

Confirmado primeiro caso de contágio de dengue em Macau
Uma mulher de 82 anos foi infetada, mas as autoridades confirmam que se encontra estável
Avião ucraniano despenha-se na Argélia
Acidente causou pelo menos sete mortos
«A Rússia não deve subestimar a Europa»
Durão Barroso quer encontrar uma solução definitiva para a crise na Ucrânia, antes que se chegue a um «ponto sem retorno»
EM MANCHETE
Pensionistas deixam Segurança Social no vermelho
Segurança Social apresentou um saldo negativo de 204 milhões, causado pelo pagamento do 14º mês
Défice estrutural «poderá estar em risco»
«A Rússia não deve subestimar a Europa»