logotipo tvi24

Venezuela de luto: «Chávez está vivo entre nós»

Cortejo fúnebre, desde o hospital militar, em Caracas, foi acompanhado por dezenas de milhares de venezuelanos que disseram um adeus emocionado

Por: Redacção / Margarida Martins/TVI    |   2013-03-07 00:21

Já está em câmara ardente o corpo de Hugo Chávez.

O caixão do líder venezuelano encontra-se na academia militar de Caracas até sexta-feira, dia do funeral.

O cortejo fúnebre, desde o hospital militar, foi acompanhado por dezenas de milhares de venezuelanos que disseram um adeus emocionado.

Sete horas demorou o cortejo ao longo de oito quilómetros. «Chávez está vivo entre nós», chorava o povo.

À frente do cortejo, o presidente interino, Nicolás Maduro e o amigo da venezuela revolucionária, o presidente da Bolívia, Evo Morales, seguiram a pé todo o percurso desde o hospital militar, onde Chávez morreu na tarde de terça-feira, até à academia militar, a mesma escola onde o presidente defunto ingressou aos 17 anos.

Aos 58 anos, Hugo Chávez não resistiu a um cancro.

Já no primeiro de sete dias de luto, o homem que liderou a Venezuela durante 14 anos é tratado como um herói por milhares e milhares de apoiantes.

Mesmo assim, foram muitos os que ficaram em casa, os que reprovavam a orientação ditatorial do «comandante».

Partilhar
FOTOGALERIA:
Milhares de pessoas no cortejo fúnebre de Hugo Chávez

Cortejo fúnebre de Hugo Chávez (Foto Lusa/EPA) EM CIMA: Cortejo fúnebre de Hugo Chávez (Foto Lusa/EPA)

Presidente boliviano procura votos «na cama»
Evo Morales acredita que os casais decidem em quem vão votar antes de irem dormir
Venezuelanos já podem escrever com a letra de Chávez
Fonte tipográfica criada por um desenhador venezuelano para utilizadores de computadores
Gaza: «Sobrevivi à última noite, estou viva»
Adolescente documentou, na sua conta de Twitter, os bombardeamentos que observava da sua janela
EM MANCHETE
BES desconvoca Assembleia Geral de Acionistas
Ações caem mais de 12% após anúncio. Legitimação da equipa de Vítor Bento não está em causa. Banco deve acumular prejuízos de 3 mil milhões de euros
Portugal suspende representação diplomática na Líbia
Diretores de serviço do Garcia de Orta denunciam situações graves