A Síria nega que tenha havido um novo ataque contra o país na terça-feira à noite. Um comandante militar revelou à agência Reuters que o país ativou as defesas antimíssil devido a um “falso alarme”.

A imprensa síria tinha noticiado um ataque aéreo e a interceção de mísseis no espaço aéreo nacional. De acordo com a notícia dada pela televisão estatal, os mísseis teriam como alvo uma base aérea na província de Homs e outras duas perto da capital, Damasco.

Os Estados Unidos e Israel negaram, esta madrugada, qualquer envolvimento em ações militares naquela área.

Não há ação militar norte-americana na área neste momento. Não temos mais informação", afirmou Eric Pahon, porta-voz do Pentágono, em declarações à Reuters.

 

Desconheço esse incidente", afirmou um porta-voz do exército israelita, questionado pela agência AFP sobre os rumores que apontavam para a eventualidade de se tratar de um ataque israelita.

O comandante militar sírio, que agora falou à Reuters sob anonimato, desmente a agressão durante a noite em Homs e perto de Damasco, mas atribui o incidente a "um ataque cibernético conjunto" de Israel e dos Estados Unidos visando o sistema sírio de radares.