Um grupo de piratas informáticos chineses acedeu a informações de funcionários do Governo dos Estados Unidos, em março deste ano, revelou esta quinta-feira a edição digital do New York Times.

Os piratas informáticos pretendiam aceder a ficheiros referentes a dezenas de milhares de empregados que solicitaram autorizações de segurança secretas, segundo fontes oficiais não identificadas pelo jornal.

Os piratas acederam às bases de dados do Departamento de Gestão de Pessoal antes de as autoridades dos EUA detetarem a ameaça e bloquearem o acesso à rede informática, adiantaram as fontes.

Segundo o «New York Times», as autoridades não conseguem confirmar se os «hackers» penetraram os sistemas da agência, onde estão guardadas listas de candidatos a autorizações de acessos restritos e seus contactos, últimos empregos e informações pessoais como o historial de uso de drogas.

O Departamento de Segurança Interna dos EUA confirmou, ao «NY Times», que «até ao momento» não foram identificadas «perdas de informações pessoais», e que uma equipa especializada já está a tentar identificar os riscos associados à intromissão.

Foi confirmado que o ataque partiu da China, mas as autoridades não estão certas se partiu do Governo chinês.

A questão dos ataques informáticos é um tema sensível para ambos os países, uma vez que a China conseguiu identificar, através dos documentos revelados por Edward Snowden, que a NSA (Agência de Segurança Norte-americana) acedeu a computadores da empresa de tecnologia «Huawei», para poder intersetar conversas com líderes chineses e militares.