Gulnara Karimova já foi um pouco de tudo: manequim, estilista, cantora ou simplesmente socialiate. O que Gulnara Karimova nunca deixou de ser: filha do Presidente do Uzbequistão. O que ela pode ser, agora? Corrupta ou vítima de uma manobra política para a afastar da sucessão ao lugar do pai, que morreu no mês passado? Depois de publicamente afastada e agora que o pai morreu, Gulnara Karimova pode estar a fazer uma limpeza de imagem.

O pai era o presidente, mas Gulnara cresceu como uma “princesa” e autointitulando-se como a “beleza exótica do Uzbequistão”. Sem gozar de grande simpatia entre o seu povo, era conhecida muito para além das fronteiras do país da antiga URSS. Privou com estrelas da moda, da música e do cinema. Há fotos dela com Sting, Elton John ou Sharon Stone, e até gravou uma música com Gerard Depardieu.

 

 

Mas, as luzes da vida pública desta mulher, agora com 44 anos, apagaram-se subitamente há dois anos e, a sua ausência do funeral de Estado do pai, em setembro, trouxeram ao de cima as suspeitas sobre o que terá acontecido a Gulnara. Teses não faltam.

A última destas vem expressa no Daily Mail que, citando uma página de um grupo de apoio, no Facebook, alega que a mulher foi detida numa instituição mental pelo sucessor do pai, Shavkat Mirziyoev, de forma a eliminar a sua eventual concorrência. A versão oficial dá conta de que a sua presença não foi desejada no funeral de Islam Kalimov. Aliás, a mãe e a irmã, vestidas de luto, receberam as condolências de Vladimir Putin.

 

Putin presta condolêncas à viúva de Islam Karimov (Foto Reuters)

Mas, antes que se escrevam argumentos hollywoodescos sobre uma mulher loira e bonita, que viveu num cárcere por obra de poderosos vilões, entram as equipas de detetives que acrescentam dados para baralhar e apimentar a história.

Com efeito, Gulnara não é vista em público há cerca de dois anos. O Wall Street Journal diz que a mulher está em prisão domiciliária desde 2014, altura em que as autoridades uzbeques a indiciaram pelos crimes de evasão fiscal. Pouco tempo antes, acrescenta o Daily Mail, o pai, que governou o país durante 27 anos, ficou a saber, através de um relatório dos serviços secretos, dos negócios de Gulnara e das fotografias em que aparecia seminua. Islam Karimov terá mesmo esbofeteado a filha mais velha por se ter deixado fotografar com umas singelas penas de pavão a cobri-la. Terá sido esta a queda de um anjo para um pai.

Mas, para além da curiosidade popular em saber o que é feito da milionária, também as autoridades suíças e norte-americanas, com processos pendentes contra ela, por corrupção e lavagem de dinheiro, gostariam de saber o seu paradeiro.

Um antigo embaixador britânico, Craig Murray, descreveu-a como uma bela mas mortífera vilã digna de um filme de James Bond.

 Fica a dúvida de como acaba esta história. Aguardam-se as cenas dos próximos capítulos.