Itália sem Governo: e agora?

Italianos foram às urnas, distribuíram o poder e ficaram sem Governo

Por:    |   26 de Fevereiro de 2013 às 20:06
As eleições em Itália trouxeram pelo menos uma clarificação. Os italianos não querem Monti, nem uma política de austeridade. Esta é para já a grande conclusão do voto dos eleitores, uma vez que todas as outras ilações estão ainda minadas de incerteza.

A coligação de esquerda italiana, liderada por Pier Luigi Bersani, obteve a maioria dos assentos na câmara baixa, mas a coligação de centro-direita, do ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi, venceu no Senado, ainda que sem maioria.

Entre os dois grandes partidos ficou o Movimento Cinco Estrelas, liderado pelo ex-comediante Beppe Grilo, que conseguiu 25% dos votos dos eleitores. O suficiente para mergulhar o país num período pós-eleitoral sem vencedor declarado.

Todas as conversas sobre Itália vão parar a «surpresa», ou talvez não, do resultado eleitoral e da influência que poderá ter o Movimento Cinco Estrelas numa solução governativa ou na convocação de novas eleições.

«O sucesso do Movimento Cinco Estrelas foi além das expectativas. Não era previsível, mas considerando a falta de liderança na política nacional acabou por alcançar um resultado muito positivo», defendeu ao tvi24.pt o italiano Marco Lisi que é atualmente professor e investigador de ciência política do Instituto de Ciências Sociais de Lisboa.

«Grillo conseguiu captar os mais jovens e pessoas que tradicionalmente não se identificam com a classe política tradicional», defendeu. Já Goffredo Adinolfi, investigador formado em Milão, atualmente no CIES-ISCTE, aponta também outras razões.

«O facto de existir a ideia de que o centro-esquerda iria ganhar permitiu que o voto de protesto fosse para o Movimento Cinco Estrelas», explicou e lembrou: «É preciso não esquecer que, no último ano, o clima em Itália foi terrível especialmente com o aumento do desemprego. Há um clima de fortíssima instabilidade, até com a demissão do Papa, o que levou as pessoas que tinham dúvidas entre votar num partido respeitável ou num voto contra, escolhessem o último».

Beppe Grilo que à partida surge como um ex-comediante cuja credibilidade poderá ser posta em causa, soube, sobretudo através das redes sociais, aumentar a sua base de apoio.

«Grillo põe em causa uma certa maneira de fazer política e conseguiu captar um movimento descontente de quem não queria mais do mesmo. Grillo é uma alternativa algo credível, preparada, que tem um grupo de pessoas a trabalhar com ele. E foi por isso que ofereceu uma alternativa de descontentamento sustentável», defendeu ao tvi24.pt um outro italiano em Portugal, Marco Ginoulhiac, professor de Arquitectura na Universidade do Porto.

A alternativa política em Itália parece agora passar pela inclusão de Grillo no arco governativo. Uma solução de cedência sempre negada em campanha eleitoral, mas que pode ser a única forma de evitar uma crise prolongada ou novas eleições. Bersani, líder do centro-esquerda, já veio defender que sejam assumidas responsabilidades e pedir para que Grillo «diga o que quer».
PUB
EM BAIXO: Itália
Itália
COMENTÁRIOS

PUB
Governo quer todos os criminosos sexuais «longe» das crianças

Condenados por abusar de menores já estavam impedidos de trabalhar com crianças, mas a nova proposta do Governo não exclui que outros criminosos sexuais, de pessoas maiores de idade, também possam ser impedidos de exercer funções. Todos os profissionais em contacto regular com menores vão ter de apresentar registo criminal antes de poderem ser contratados. Executivo alterou proposta para a Base de Referenciação de pedófilos e os pais já não vão poder saber onde vivem os condenados