Duas dezenas de ativistas da organização ecologista Greenpeace foram detidos esta quarta-feira depois de um protesto no interior da central nuclear de Oskarshamn, no sul da Suécia, noticiou a agência EFE.

Os ativistas escalaram o edifício onde se encontra o segundo reator da central e, do topo, desdobraram um cartaz onde se lia «Hora da reforma», numa alusão à antiguidade daquelas instalações.

Uma mensagem no mesmo sentido foi entregue à administração da central, localizada na costa báltica da Suécia.

Segundo a Greenpeace, a Suécia tem quatro dos dez reatores mais antigos e desgastados da Europa e não tomou medidas para melhorar a segurança dos mesmos.

Mas a organização ecologista organizou mais protestos em países diferentes nas centrais nucleares mais antigas da Europa.

Em comunicado, a organização pede «aos governos (...) que invistam em alternativa em energias limpas e seguras».

As centrais escolhidas situam-se em Espanha, França, Bélgica, Holanda, Suíça e Suécia.

Dos 151 reatores nucleares em funcionamento na Europa, 66 têm mais de 30 anos, 25 têm mais de 35 anos e sete estão em atividade há mais de 40 anos, segundo a Greenpeace.