A França aprovou uma lei que proíbe a utilização de telemóveis nas escolas. A medida entra em vigor a partir de setembro, ou seja, no arranque do ano letivo.

Isto significa que as crianças entre os três e os 15 anos terão de ter smartphones, tablets ou outros aparelhos com ligação à internet desligados quando nas escolas.

As escolas básicas e secundárias, com alunos a partir dos 15 anos, podem escolher se querem adotar a medida de forma total ou parcial. 

Sabemos que atualmente o vício pelo ecrã é um fenómeno que cresceu por causa do uso indevido dos telemóveis. O nosso principal objetivo é proteger as crianças e os adolescentes. É um papel fundamental na educação e esta lei permite que assim seja”, disse o ministro francês da Educação, Jean-Michel Blanquer, à BFMTV.

A lei abre exceções nos casos de “uso pedagógico”, atividades extracurriculares e de alunos com necessidades especiais.

A medida foi uma promessa eleitoral do presidente francês, Emmanuel Macron, e passou com 62 votos a favor, dos membros do seu partido, e um voto contra. Vários deputados de esquerda e de direita abstiveram-se de votar a lei, uma vez que consideram que não vai causar grandes mudanças.

Na realidade, a proibição já foi feita. Não conheço nenhum professor neste país que permita a utilização de telemóveis na sala de aula”, disse Alexis Corbière, deputado de esquerda do partido France Insoumise.

O deputado relembrou ainda a lei de 2010, que proíbe os smartphones “durante as atividades escolares”.

Mais de 90% das crianças francesas entre os 12 e os 17 anos tinham smartphones em 2016, de acordo com a agência reguladora de telecomunicações francesa ARCEP.