A Coca-Cola anunciou, esta quarta-feira, que retirava do ar a sua última campanha publicitária, protagonizada pelo ator basco Gotzon Sánchez, por este ter alegadas ligações à ETA. Gotzon Sánchez terá «apoiado pública e manifestamente» a Herrira, uma organização de apoio aos presos da ETA, fundada em 2012 e cujas atividades foram suspensas em setembro de 2013, por ordem judicial.

Como realça o comunicado emitido pela Coca-Cola e divulgado no Twitter pelo Diretor de Comunicação e Relações Exteriores da empresa, Miguel Mira, o ator já tinha participado em outros anúncios de conhecidas marcas, incluindo de bebidas. Nesse mesmo comunicado, a empresa pede desculpas às vítimas de terrorismo, bem como «a todos os que se tenham sentido ofendidos com o visionamento do anúncio.





A decisão da Coca-Cola surge depois de o jornal espanhol «El Mundo», ter publicado uma carta enviada pela associação «Dignidad y Justicia», uma das associações de vítimas da ETA, ao presidente da Coca-Cola espanhola. Nessa carta, o presidente da «Dignidad y Justicia» sublinha que «a organização Herrira é considerada herdeira da organização ilegal e terrorista Askatasuna, que era responsável pelo coletivo de presos da ETA e, desde setembro de 2013, tem suspensas as suas atividades por medida judicial».

No anúncio, Gotzon Sánchez interpreta um adepto do Real Madrid a quem o filho conta que mudou de clube se tornou adepto do Atlético de Madrid.

No seu perfil do Facebook, o ator poucas reações teve. Ainda ontem, publicou o tweet de Miguel Mira, sem qualquer comentário.





Também ontem o gestor da página tinha alertado os seguidores do ator que a página em causa se pautava pelo respeito e não queria enveredar por ideologias políticas de nenhum tipo. O gestor, que se identifica como primo do ator, avisava ainda que todas as publicações na página que não fossem de teor profissional seriam apagadas.