O grupo Lufthansa anunciou esta terça-feira que o consórcio de seguradoras liderado pela alemã Allianz destinou 279 milhões de euros para indemnizações relativas à queda do Airbus A320 da Germanwings nos Alpes franceses, a 24 de março.

«Posso confirmar que 279 milhões de euros estão previstos» para cobrir os prováveis pedidos de compensação das famílias das vítimas, declarou uma porta-voz da transportadora aérea alemã Lufthansa, proprietária da Germanwings, sustentando a informação divulgada pelo jornal Handelsblatt.

De acordo com o diário económico alemão, as indemnizações pagas em caso de acidente aéreo rondam normalmente um milhão de dólares por passageiro, mas a presença de norte-americanos entre as vítimas poderá originar montantes mais elevados.

O avião estava seguro em 6,5 milhões de dólares, afirmou o Handelsblatt, que cita fontes próximas do dossier.

A Allianz Global Corporate & Speciality (AGCS), filial da seguradora alemã Allianz, especializada na gestão de risco dos grandes grupos, é o líder do consórcio de seguradoras da transportadora de baixo custo Germanwings.

As perdas humanas no acidente, ocorrido há uma semana, do A320 da companhia nos Alpes franceses, bem como o avião destruído, serão compensadas pelas seguradoras, mesmo se o acidente foi causado deliberado, tinham afirmado na sexta-feira fontes próximas do dossier, citadas pela agência noticiosa francesa AFP.

A queda do avião da Germanwings, que efetuava a ligação Barcelona (nordeste de Espanha) a Dusseldorf (oeste da Alemanha), causou 150 mortos.

O copiloto do aparelho, Andreas Lubitz, ficou fechado sozinho na cabine de comando, aproveitando uma breve ausência do comandante, e terá causado deliberadamente a queda do avião, de acordo com os investigadores, depois de analisadas as gravações recolhidas de uma das duas "caixas negras" a bordo e a única encontrada até agora, denominada CVR (gravador de voz da cabine de comando).