Um bebé nasceu no distrito de Tonk, em Rajasthan, na Índia, com duas cabeças. Aconteceu na quarta-feira. Os médicos dizem que, apesar de a situação ser complicada, a criança pode sobreviver.

Logo após o nascimento, a criança foi transportada para o hospital J. K. Lone, em Jaipur, para ser analisado e fazer os exames necessários para avaliar o estado de saúde, escreve o «India Times».

«O bebé tem duas cabeças separadas, duas colunas vertebrais, dois sistemas nervosos, duas mãos, duas pernas, mas apenas um ílio e uma parte íntima», disse o diretor do hospital, S. D. Sharma, citado pelo jornal francês «Paris Match».

Entretanto, mais exames têm que ser feitos para apurar que órgãos o bebé desenvolveu a dobrar e quais os que estão em funcionamento. Uma realidade pesada para uma mãe de apenas 24 anos.

Este tipo de malformação é extremamente rara e, quando acontece, a sobrevivência implica muitas vezes a tomada de opções.

Contudo, em 1990, o nascimento de Brittany e Abigail revelou-se um caso de sucesso, uma vez que as siamesas, com um único corpo mas duas cabeças, têm uma vida normal e são consideradas duas pessoas.

O médico português Gentil Martins também já fez diversas cirurgias para separar bebés que nasceram pegados. O caso dos gémeos moçambicanos João e Helena foi um sucesso, uma vez que o médico os conseguiu separar, apsar de só terem um órgão sexual.

No entanto, há situações que levantam questões sociais e jurídicas. Quando não é possível separar os dois corpos - por se partilharem órgãos vitais - surge a questão de saber de quantas pessoas se tratam: uma ou duas.