O Irma gerou este sábado sábado fortes tornados no sul da Flórida, à medida que o "olho" do furacão, com ventos de 205 quilómetros por hora, se aproximava do arquipélago de Florida Keys, onde deverá chegar este domingo de manhã. A informação é avançada pelas agências Reuters e Efe, que citam o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos.

De acordo com os meios de comunicação locais, vários tornados foram observados no sul da Florida e pelo menos um deles tocou terra em Oakland Park, a 55 quilómetros norte de Miami.

O Centro Nacional de Furacões já tinha alertado no sábado que “é possível que se produzam alguns tornados esta tarde e noite [sábado] no sul da Flórida que podem alargar-se ao centro do estado no domingo”.

Apesar de o nível de intensidade ter descido de cinco para três, o Centro Nacional de Furacões prevê que o furacão ganhe novamente força quando começar a dirigir-se para a zona norte do estado, onde deverá chegar este domingo. Isto depois de o percurso previsto para o Irma se ter desviado para oeste, com o “olho” do furacão a afastar-se de Miami e a dirigir-se para a região de Tampa, uma cidade localizada na costa oeste da Flórida e que desde 1921 não é atingida por um grande furacão.

De acordo com a CNN, governador da Flórida, Rick Scott, disse em conferência de imprensa que já há 70 mil pessoas refugiadas em 385 abrigos espalhados pelo estado, mas “que ainda há espaço para mais pessoas”.

O governador disse também que já há 76 mil pessoas sem energia elétrica, sobretudo no sul da Flórida, e que o número vai “com certeza subir”. A Florida Power and Light, uma das principais fornecedoras de eletricidade, estima que 3,4 millhões de clientes fiquem sem energia em determinado momento. 

A nova trajetória do Irma obrigou as autoridades da Flórida a aumentar a ordem de retirada das casas para sete milhões de pessoas, um terço da população do estado, depois de uma ordem inicial para 5,6 milhões de residentes.

Durante uma conferência de imprensa este sábado, Rick Scott apelou à população para que abandone as casas o mais rapidamente possível.

Se receberam uma ordem de evacuação, saiam já. Não esperem, saiam. Não saiam esta noite, não saiam dentro de uma gora, saiam agora”, disse, citado pela CNN. “Lembrem- se que assim que a tempestade chegar, não há nenhuma força policial que vos possa salvar. Vamos fazer tudo o que podermos, mas não o podemos fazer assim que a tempestade começar", disse, alertando para o risco de subida do nível das águas 4,5 metros acima do normal. "Pensem nisso, vai cobrir as vossas casas. Vocês não vão sobreviver."

Rick Scott já tinha sublinhando na sexta-feira a urgência da ordem de evacuação, pedindo aos cidadãos que se mudassem para os abrigos que existem em vários pontos do estado.

De acordo com o serviço meteorológico de Tampa Bay, na Flórida, o “Irma é um furacão grande e amplo e, por essa razão, o seu um impacto será sentido em toda a península, independentemente do caminho que o centro do furacão faça”.

O “olho” do furacão deverá depois passar pelo sudoeste da Flórida, nomeadamente pela região das Keys e de Tampa, durante a manhã deste domingo. À tarde, deverá seguir ao longo da costa sudoeste do estado, mas toda a Flórida sentirá os efeitos da tempestade.

Em Miami, já começaram a cair as primeiras chuvas e cortes de eletricidade associados à passagem do furacão Irma. Com uma população de 440 mil habitantes, a cidade do estado da Flórida passou os últimos dias a preparar-se para a chegada do fenómeno natural.

De acordo com o porta-voz do Centro Nacional de Furacões, , Dennis Feltgen, Miami não levará com o maior impacto do furacão, mas terá de enfrentar “condições que ameaçam a vida”.

Trump exorta população a evitar trajetória e refere "enorme poder destrutivo"

O Presidente dos EUA, Donald Trump, recordou no sábado à população norte-americana o "enorme poder destrutivo" do Irma e exortou que evitem a trajetória do furacão, seguindo as instruções das autoridades.

Esta é uma tempestade com um enorme poder destrutivo e peço a todos que estão na sua trajetória que sigam todas as instruções dos funcionários do Governo", disse Trump no início de uma reunião no seu gabinete de retiro presidencial de Camp David, Maryland.

 

Parece que o Irma vai ser realmente mau. Mas, estamos preparados tanto quanto se pode para algo assim", indicou o Presidente, segundo um vídeo do início da reunião que publicou na sua conta no Twitter.

 

Trump e a mulher, Melania, passam este fim de semana em Camp David com todo o gabinete para abordar as prioridades do Governo e acompanhar a evolução da chegada à Florida do Irma, o mais potente furacão registado até ao presente no Atlântico.

"A minha administração está a seguir a evolução do furacão Irma de forma contínua. Estamos em constante contacto com os funcionários estatais e locais. Faremos os possíveis para salvar vidas e apoiar os necessitados", assinalou Trump.

Os alertas do chefe da Casa Branca foram ainda reforçados pela mensagem do governador da Florida, Rick Scott, que referiu que as pessoas que receberam ordem de retirada devem fazê-lo de imediato.

O Irma fez, até agora, pelo menos 25 mortos e deixou um rasto de destruição à passagem pelas Caraíbas, segundo números compilados pela agência France-Presse.

O furacão já esteve na categoria máxima na escala Saffir-Simpson (5), já passou para categoria 4 e agora desceu para 3, após ter tocado terra, na sexta-feira à noite, na costa norte de Cuba.

Furacão José começa hoje a enfraquecer 

O furacão José está a afastar-se das ilhas Leeward, nas Caraíbas, e deverá perder intensidade este domingo e na segunda-feira, informa o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos, citado pela Reuters.

O furacão encontra-se a cerca de 135 quilómetros a norte das ilhas Leeward, com ventos máximos sustentados de 230 quilómetros por hora.
 

O José mantém a categoria de intensidade 4 e não deverá mudar de intensidade durante a noite, antes de começar a enfraquecer este domingo, refere o Centro Nacional de Furacões.