Um fundo online lançado para financiar o casamento da irmã do homem que matou nove pessoas na igreja de Charleston, nos EUA, foi desativado, devido a uma onda de protestos nas redes sociais.

A página, criada por Amber Roof, pedia doações para financiar o casamento, cancelado depois do ataque à igreja da Carolina do Sul, realizado pelo seu irmão, Dylann Roof.

Segundo a BBC, Amber devia ter casado no dia 21 de junho, quatro dias depois do ataque. A noiva disse que o dia do seu casamento tinha sido “estragado pelas ações de um homem”. Ou seja, o seu irmão.

Na página online, o casal escreveu que as suas vidas “mudaram para sempre” depois do evento, afirmando que os media abusaram da sua privacidade, ao publicarem detalhes do casamento. Acrescentaram ainda que o casamento foi cancelado para “proteger a família e chorar pelas vidas perdidas” naquele dia.

O dinheiro angariado deveria ajudar a cobrir os custos do casamento, pagar algumas contas e financiar a lua-de-mel dos noivos. O casal afirmou, também, que doaria 10% da quantia à igreja onde o massacre teve lugar.

Antes da página ter sido desativada, o fundo contava apenas com 1.600 dólares, longe dos 5.000 que o casal solicitou.

O site onde o fundo foi criado, GoFundMe, garantiu que não o tinha destivado. A página foi desativada por Amber, depois da desaprovação nas redes sociais. 

Dylann Roof deu-se como culpado pelas nove mortes na igreja de Charleston. O governador da Carolina do Norte pediu a pena de morte para o rapaz de 21 anos.