O Governo japonês anunciou esta terça-feira que vai aumentar os seus esforços para prevenir o terrorismo no país, depois de notícias de um estudante nipónico que planeava juntar-se ao Estado Islâmico na Síria.

«Vamos tomar medidas para conter os extremistas», afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Fumio Kishida, depois de ser questionado pela imprensa sobre a investigação policial a vários japoneses suspeitos de estarem a planear juntarem-se ao grupo 'jihadista', ou de fazerem recrutamentos para o grupo terrorista.

As autoridades estão «determinadas a impedir» que cidadãos japoneses viajem para a Síria, Iraque e outros países «para cometer atos terroristas ou juntarem-se a grupos extremistas», acrescentou o ministro, em declarações divulgadas pela agência Kyodo.