A atriz Julie Gayet com quem o presidente francês, François Hollande, terá uma relação amorosa, segundo a revista «Closer», anunciou esta quinta-feira que vai processar a publicação. O presidente anunciou de imediato que essa possibilidade ia ser analisada.

A decisão da atriz chega um dia depois do ministério da Cultura francês ter anunciado que a nomeação de Gayet para um júri não seria concretizada.

A reportagem foi para as bancas há uma semana e, desde então, não têm parado os episódios relacionados com o caso, que já levou a presidência a emitir um comunicado logo na sexta-feira e François Hollande ser confrontado em direto pelos jornalistas a terça-feira, quando apresentava um plano para a economia do país.

François Hollande disse aos jornalistas que «os assuntos privados devem ser tratados em privado», mas não negou que o «casamento está a passar por um momento difícil», sem adiantar, no entanto, responder se a mulher continua a ser a primeira-dama de França.

Valerie Trierweiler, a mulher de Hollande, foi internada numa clínica parisiense na sexta-feira, logo após o eclodir do escândalo. O estado da mulher de Hollande não tem sido atualizado, apenas se sabendo que foi internada devido a problemas de «stress».

A France Presse apurou, contudo, que Hollande não visitou a mulher na clínica. Resta saber se ela não quis ou ele preferiu afastar-se.

A «Closer» já tirou a notícia da sua página, mas isso não impede que os efeitos da polémica se continuem a fazer sentir. Tem sido uma sucessão de notícias em torno da vida privada do chefe de Estado. Inclusive, já foi avançado que Julie Gayet estará grávida.