O presidente francês dirigiu-se esta terça-feira aos judeus franceses para lhes assegurar que França é a pátria deles, numa altura em que duplicaram os atos de antissemitismo no país com a maior comunidade judaica da Europa.

François Hollande, que discursava no Memorial do Holocausto de Paris por ocasião do 70.º aniversário da libertação do campo de concentração de Auschwitz, considerou que o grande aumento daqueles incidentes em 2014 é «uma realidade insuportável» e anunciou um reforço das sanções contra o racismo e o antissemitismo.
 

«O flagelo (do antissemitismo) leva alguns judeus a questionar a sua presença em França. Franceses de confissão judaica, o vosso lugar é aqui. França é a vossa pátria».


Com cerca de 500.000 a 600.000 pessoas, França acolhe a maior comunidade judaica da Europa e a terceira maior do mundo, depois de Israel e dos Estados Unidos. Segundo o conselho representativo das instituições judaicas de França, o número de atos antissemitas no país duplicou de 2013 para 2014.

Hollande disse também que França «nunca esquecerá» as vítimas do Holocausto e prestou homenagem aos 76.000 judeus deportados pelo regime colaboracionista de Vichy durante a II Guerra Mundial, sublinhando a necessidade de a história da Shoah «ser ensinada em todos os locais, sem nenhuma restrição».

O presidente francês deverá deslocar-se esta tarde a Auschwitz, na Polónia, para participar na cerimónia que assinala o 70.º aniversário da libertação do campo.

A homenagem deste ano às vítimas do Holocausto ocorre menos de três semanas depois dos ataques jihadistas de Paris, entre os quais uma tomada de reféns num supermercado kosher, em que morreram quatro pessoas.