O Papa está na mira do Estado Islâmico do Iraque e do Levante, responsável pela decapitação do jornalista norte-americano James Foley. Francisco está na lista negra do grupo jihadista por ser «portador da verdade falsa», noticia esta segunda-feira o jornal italiano «Il Tempo».

O jornal afirma que «fontes israelitas acreditam que o Papa Francisco, o expoente máximo da religião cristã, está na mira do Estado Islâmico». O artigo refere também que a Itália é «um trampolim de lançamento para os mujahedins (combatentes da guerra santa)» e que «as chegadas contínuas de imigrantes servem de base para a entrada dos jihadistas no Ocidente».

O «Il Tempo» lembra que o autoproclamado califa do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, «quer superar a Al-Qaeda e as façanhas do "chefe do terror" (Osama bin Laden)». O líder do Estado Islâmico, «de acordo com fontes israelitas, conta entre os elementos mais próximos com a presença de ocidentais convertidos e de jovens de segunda geração, filhos de imigrantes nascidos em países europeus, e que agora optaram por abraçar o fundamentalismo islâmico», refere ainda a publicação.

O Papa Francisco fez diversos pedidos pela paz no Médio Oriente em várias ocasiões e, no domingo, pediu orações para que termine «a violência insensata» e para «um amanhecer de paz e reconciliação entre os homens».