Mais de três meses após a confissão de Nordahl Lelandais, de que tinha causado a morte de Maëlys de Araújo, e a descoberta do corpo, as autoridades forenses francesas dão por terminada a autópsia da criança.

De acordo com a televisão francesa BFMTV, o corpo da menina de nove anos, que desapareceu durante uma festa de casamento em Pont-de-Beauvoisin, a 27 de agosto do ano passado, poderá agora ser devolvido aos pais, para a realização do funeral.

Os resultados da longa autópsia ainda não são conhecidos.

A BFMTV adianta, contudo, que os peritos de medicina legal analisaram até os ossos da menina, particularmente a mandíbula partida em duas partes, provável consequência da estalada que o homicída confessou ter dado à criança.

Nordahl Lelandais, que confessou ter matado Maelys - e terá assumido também o homicídio de Arthur Noyer, um militar desaparceido em abril de 2017 - sustentou que o óbito da criança resultou de um gesto "involuntário", quando a esbofeteou no interior do seu carro.

Desde o desaparecimento da criança, Nordahl Lelandais tornou-se o principal suspeito, mas durante seis meses negou qualquer responsabilidade. Apesar das imagens de videovigilância e de registos de ADN descobertos posteriormente no seu carro e em casa.

Só a 14 de fevereiro, Lelandais viria a confessar a autoria da morte e a revelar onde tinha escondido o corpo da criança.