Marine Le Pen, a única candidata à sua sucessão, foi reeleita, sem surpresas, presidente do partido francês Frente Nacional com 100% dos votos expressos, após uma votação por correspondência, cujos resultados foram proclamados este domingo na convenção do partido, que decorre em Lille.

A líder da Frente Nacional, de 49 anos, começa um terceiro mandato como presidente do partido que dirige desde 2011 e para o qual propôs um novo nome nesta tarde, "Reagrupamento Nacional".

O congresso da FN, que Le Pen designou como “congresso de refundação”, visa relançar o partido fundado nos anos 1970, para lhe permitir chegar ao poder, com novas linhas orientadoras, uma nova estrutura dirigente e um novo nome, a anunciar no domingo pela líder.

Presente no congresso esteve o ex-conselheiro de Donald Trump Steve Bannon, que encorajou, durante o seu discurso, na noite de sábado, a extrema-direita europeia a abraçar “um movimento maior” que a leve "de vitória em vitória”.

“A História está do nosso lado e vai levar-nos de vitória em vitória. Vocês fazem parte de um movimento que é maior que Itália, maior que a Polónia, maior que a Hungria”, disse Bannon, cuja presença no congresso foi anunciada na sexta-feira à noite.

O ex-conselheiro de Trump participou também recentemente na campanha eleitoral em Itália, ao lado do líder do partido de extrema-direita Liga (ex-Liga do Norte), Matteo Salvini.