Juízes de instrução do Tribunal de Cassação, a mais alta instância jurídica de França, decidiram esta quinta-feira remeter para julgamento o antigo presidente Nicolas Sarkozy, sob as acusações de "corrupção" e "tráfico de influências".

Segundo o jornal Le Monde, Sarkozy poderá ainda recorrer da decisão, mas torna-se provável que venha a responder no tribunal correcional, juntamente com o seu amigo e advogado, Thierry Herzog, e um ex-juiz Gilbert Azibert, todos acusados por corrupção e tráfico de influências.

Após ter sido detido e inquirido na semana passada, por suspeitas relacionadas com o eventual financiamento ilegal da sua campanha em 2007, através de fundos pagos pelo então presidente líbio Muammar Khadafi, Sarkozy enfrenta agora acusações num outro caso, relacionado com um alegado esquema de obtenção de informações em segredo de justiça.

O antigo presidente francês terá sido gravado a falar com o seu advogado, de forma a tentar obter informações sobre um processo de alegado financiamento ilegal da sua campanha em 2012, com recurso a verbas vindas da herdeira do império L’Oreal, Liliane Bettencourt, um caso que foi encerrado por falta de provas.

Neste processo das escutas, a promoção do juiz Gilbert Azibert seria moeda de troca para a obtenção de informações, em segredo de justiça.

Em outubro do ano passado, magistrados da Procuradoria Financeira tinham acusado os três - Sarkozy, o amigo advogado e o juiz - considerando que havia "matéria pesada e concordante", segundo refere o Le Monde.