Um cinto de explosivos foi encontrado, nesta segunda-feira, num caixote do lixo público em Montrouge, comuna a sul de Paris, disse fonte próxima da investigação à agência Reuters, que não exclui a possibilidade de o mesmo poder pertencer a Salah Abdeslam.
 
“Tratar-se-á de um cinto de explosivos”, afirmou a fonte, segundo a Reuters, adiantando também que a análise ao material estava em curso.

A mesma fonte diz que é prematuro dizer se o cinto pertenceria a Salah Abdeslam, uma vez que não está excluída a teoria de que o suspeito em fuga após os atentados de Paris teria intenção de se fazer explodir no 18.º distrito, no norte da capital, mas que abandonou o plano, apesar de o motivo não ser claro.
 
“Talvez tenha tido um problema técnico com o cinto de explosivos”, disse a fonte.

De acordo com a Reuters, que continua a citar a mesma fonte, o telemóvel de Salah Abdeslam foi detetado em duas zonas diferentes, no 18.º distrito e em Châtillon, a sul de Paris.

Châtillon dista menos de 4 km de Montrouge, comuna onde o cinto de explosivos foi encontrado.

 
O paradeiro do homem mais procurado do momento é desconhecido das autoridades, mas, ao que tudo indica, estará em Bruxelas, segundo o próprio terá admitido a amigos, através do Skype, a quem pediu ajuda para viajar para a Síria.

A 13 de novembro, seis atentados em Paris causaram, pelo menos, 130 mortos e centenas de feridos, muitos em estado crítico.

No mesmo dia, o Estado Islâmico reivindicou os ataques e França declarou o estado de emergência

O "cérebro" dos ataques morreu numa operação policial em Saint-Denis, a norte de Paris.