O jornal satírico francês Charlie Hebdo já vendeu 1,9 milhões de cópias do número especial lançado esta semana e que foi alvo de protesto por muçulmanos em todo o mundo por causa da caricatura do profeta Maomé na capa.

A distribuição foi, no entanto, afetada devido a problemas técnicos, com apenas 230 mil cópias prontas contra a tiragem de milhão de exemplares prevista para este fim de semana, informou a distribuidora MLP (Messageries Lyonnaises de Presse).

De acordo com a AFP, a empresa afirmou entretanto que o problema técnico já tinha sido resolvido e que a «distribuição iria ser retomada normalmente na segunda-feira».

Leia também:  Conheça as novas caricaturas do «Charlie Hebdo»

Veja ainda:
«Charlie Hebdo» esgota em Portugal