Um restaurante brasileiro que vai abrir em breve em Berlim, na Alemanha, está a provocar uma forte polémica, ao pedir doadores para especialidades canibais. A abertura do restaurante está marcada para dia 08 de Setembro e, na capital alemão, há já quem diga que só pode ser uma piada de mau gosto.

De acordo com o jornal «Der Spiegel», a localização do restaurante é ainda mantida em segredo, mas no site oficial do Flimé(assim se chama o restaurante) já se revelam menus e informações sobre os «petiscos» brasileiros e da cozinha Wari que lá se podem comer.

O site tem um aspecto bastante discreto e em situação alguma se faz referência a pratos canibais. Contudo, para se tornar «membro associado do Flimé» e receber mais informações sobre o restaurante a cozinha Wari (referente à tribo indígena da Amazónia Waricaca, que alegadamente comeria partes dos corpos dos inimigos mortos em batalhas, antes de os europeus chegarem às Américas), é necessário preencher um questionário em PDF, que terá depois de enviar para um endereço de e-mail disponibilizado no site.

É nesse questionário que os candidatos a «membro associado» têm aquilo a que se pode chamar uma verdadeira surpresa: em todo o documento são feitas perguntas como «quantas vezes faz desporto?», «com que frequência você ingere bebidas alcoólicas?», «você já sofreu alguma cirurgia antes?» ou, no caso das mulheres, «você está grávida actualmente?».

Mais abaixo, o candidato deve assinalar um campo com a afirmação «Sim, eu quero ser um membro associado do Flimé». Ora este campo tem um asterisco que encaminha para a surpresa final, escrita a letras pequeninas: «Os membros associados do Flimé concordam, com este, em doar para o Flimé qualquer parte de seu corpo, que será determinada pelo próprio associado. O Flimé assumirá apenas os custos hospitalares. O associado não receberá nenhum outro crédito financeiro. A finalidade do uso da parte doada é de livre escolha do Flimé».

As opiniões dividem-se: se há quem considere que tudo não passa de uma manobra de marketing transparente, há também quem considere ser uma piada de mau gosto. Seja isto verdade ou não, as queixas não param de chegar aos gabinetes de políticos locais e autoridades. O deputado do partido conservador Democratas Cristãos, Michael Braun disse ao jornal alemão «Bild» esperar que não seja verdade e que já perdeu a conta aos e-mails que já recebeu.