O FBI acredita que o casal autor do massacre de São Bernardino, onde morreram 14 pessoas, estavam já radicalizados “há algum tempo”, mas continua a descartar que o ataque tenha sido orientado por uma organização terrorista.

A polícia federal norte-americana admite, no entanto, que os eventos da semana passada possam ter sido inspirados em ações de grupos como o Estado Islâmico.

Os investigadores disseram ainda que o casal treinou em carreiras de tiro na zona de Los Angeles, inclusivamente dias antes do massacre, e que na casa dos atacantes foi encontrado material que poderia servir para o fabrico de 19 bombas.
 
As autoridades norte-americanas suspeitam, por isso, que  Tashfeen Malik e Syed Rizwan Farook poderiam estar a planear mais atentados.

Já foi, também, identificado o homem que terá fornecido o armamento ao casal, que já se sabe que teria ligações ao Estado Islâmico. Contudo, a polícia não acredita que Enrique Marquez, o suspeito, tenha ligações diretas ao atentado terrorista.