O FBI prendeu, esta quarta-feira, um polícia de trânsito de Washington, EUA, suspeito de fornecer material ao Estado Islâmico.

De acordo com o Nicholas Young, de 36 anos, foi detido na sede da polícia e é o primeiro polícia a ser acusado de estar envolvido com o grupo extremista, podendo vir a ser condenado até 20 anos de prisão.

Young estava sob o radar da polícia desde 2010 e foi interrogado no mesmo ano por causa da sua amizade com Zachary Chesser, que se declarou culpado de tentar "fornecer apoio material a uma organização terrorista estrangeira".

Segundo os documentos do FBI, Young está acusado de ter tido "numerosas interações", desde 2010, com os agentes do FBI e um dos seus informadores confidenciais sobre os "seus conhecimentos e o seu interesse nas atividades ligadas ao terrorismo".

Young esteve em contato com agentes sob disfarce e informadores da polícia desde 2011 e chegou mesmo a viajar para a Líbia para trabalhar com os rebeldes na queda de Muammar Gaddafi. 

Em 2014, o homem começou a encontrar-se com um informador que o convenceu de que iria viajar para se juntar ao Estado Islâmico na Síria. Assim que acreditou que isso iria acontecer, o contacto passou a ser feito pelo FBI de forma eletrónica e sem revelar o disfarço.

Segundo uma testemunha, citada no comunicado, Young terá comprado 250 dólares em cartões presentes que seriam usados para comprar aplicações que facilitavam a comunicação com o grupo extremista. Sem o saber, acabou por entregar os cartões a uma fonte do FBI que trabalhava sob disfarce.

“Esta investigação começou depois das suspeitas reportadas pelo departamento de trânsito e reforça que, como cidadãos, temos o dever e reportar atividades suspeitas quando e sempre que acontecerem”, pode ler-se no comunicado do chefe do departamento de trânsito Ron Pavlik.

No entanto, não há qualquer ameaça para o sistema de tráfego de Washington. Nicholas Young já foi presente a tribunal.