Jornalistas colombianos e estrangeiros que acompanham o diálogo de paz do Governo com a guerrilha das FARC foram espiados pelo exército colombiano, que chegou a intercetar mais de 2.600 correios eletrónicos, informou hoje a estação de televisão Univisón.

A investigação, realizada pelo jornalista colombiano Gerardo Reyes e pelo venezuelano Casto Ocando, indica que «"piratas" da inteligência militar colombiana» acederam às comunicações entre jornalistas e porta-vozes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) em Cuba.

Os «emails» intercetados, a que a Univision teve acesso, «incluem mais de 2.600 comunicações entre Hermes Aguilar e Bernardo Salcedo - ambos porta-vozes das FARC em Cuba - com jornalistas de agências de notícias internacionais como a AP, Reuters, Notimex, Prensa Latina, Efe, DPA, e AFP».