O exército israelita perpetrou um ataque no sul da Faixa de Gaza, o primeiro desde a guerra que decorreu entre julho e agosto  após um disparo de um rocket proveniente do território palestiniano.

Segundo fonte do ministério da Saúde de Gaza, citada pela agência France Presse, o ataque não causou feridos.

Em comunicado entretanto divulgado, o porta-voz do exército israelita, Peter Lerner, afirmou que o ataque visava «infraestruturas do Hamas».

Depois do ataque, o dirigente do Hamas e antigo primeiro-ministro do movimento islâmico em Gaza, Ismaïl Haniyeh, denunciou a investida aérea que classificou de «violação perigosa do acordo de cessar-fogo», formalizado a 26 de agosto, entre israelitas e palestinianos, no Cairo, Egito.

O dirigente do Hamas apelou ao Egito para «intervir com urgência» para que Israel respeite este acordo que pôs termo a 50 dias de guerra e que causou perto de 2.200 mortos do lado palestiniano, a maioria dos quais civis, e 73 israelitas, quase todos militares.

Na sexta-feira, um disparo de um rocket proveniente de Gaza atingiu um terreno descampado no sul de Israel, mas sem causar vítimas ou danos materiais, de acordo com a policia israelita.

Este é o terceiro disparo desde o fim dos combates, no verão.