A Birmânia deportou um espanhol para a vizinha Tailândia por o turista ter uma tatuagem de Buda na perna, o que é considerado ofensivo pela cultura budista do país, noticia esta terça-feira a agência noticiosa EFE, citando fontes diplomáticas.

O espanhol foi detido na cidade de Bagan, no centro do país, onde há centenas de templos budistas, depois de ter sido denunciado por monges às autoridades. 

Ascensão do movimento nacionalista budista

A Birmânia, país de maioria budista, registou uma grande transformação política nos últimos anos, quando passou de um regime militar a um governo aberto ao turismo e aos investimentos estrangeiros. As mudanças foram acompanhadas pela ascensão de um movimento nacionalista budista, hostil à minoria muçulmana, que representa 5% da população, e a tudo aquilo que considera como influências ocidentais.

Muitos budistas, em particular ocidentais, têm tatuagens do fundador da religião, o que é considerado ofensivo em alguns países. Além disso, a imagem do Buda também é considerada sagrada.

No Sri Lanka, uma enfermeira britânica foi expulsa em 2014 por exibir uma tatuagem de Buda no braço, apesar de insistir que era uma seguidora da religião e que tinha feito o desenho em sinal de respeito. 

Em março de 2015, a justiça da Birmânia condenou a dois anos e meio de prisão um neozelandês e dois sócios birmaneses por usarem a imagem de Buda, a que tinham juntado auriculares, para promover, através das redes sociais, um local de diversão noturna em Rangun.