Uma adolescente chinesa foi detida por suspeitas de ter obtido milhares de euros de doações online, depois de ter divulgado numa rede social que o pai tinha morrido nas explosões de Tianjin.

A adolescente escreveu na rede social Sina Weibo que o pai desaparecera na sequência das explosões que ocorreram na sexta-feira no terminal de contentores daquela cidade, noticia a agência France Presse, que cita a polícia de Fangchenggang, localidade da região meridional de Guangxi.

O número de seguidores da adolescente aumentou 10 vezes depois desta primeira mensagem.

As autoridades chinesas já bloquearam contas nas redes sociais a centenas de pessoas, por alegadamente estarem a generar "pânico".

Também foram suspensas temporariamente ou mesmo encerradas 50 páginas da Internet que criticaram o socorro prestado.