Uma equipa de médicos nos Estados Unidos da América removeu um quisto de 23 quilos a uma paciente de 30 anos. Kayla Rahn sofreu um enorme aumento de peso no espaço de meses sem perceber porquê. Tentou emagrecer, mas sem sucesso. Houve até quem lhe perguntasse se estava grávida de gémeos. Como se não bastasse, tinha de lidar com dores no abdómen, inchaço e falta de ar, ao ponto de não conseguir sequer caminhar até ao carro sem perder o fôlego.

De acordo com o site Unilad, quando as dores se tornaram insuportáveis, a mãe de Kayla Rahn decidiu levá-la às urgências do hospital local: o Jackson Hospital, na cidade de Montgomery, Alabama. E foi aí que a mulher ficou a saber o que estava a acontecer. Um quisto do tamanho de uma melancia estava a crescer-lhe num dos ovários e a esmagar-lhe os outros órgãos. Uma situação potencialmente perigosa, afirmaram os médicos.

Ela sabia que algo estava errado", disse o cirurgião Gregory Jones, obstetra-ginecologista do hospital, acrescentando que, provavelmente, o quisto esteve ali durante mais de um ano.

Kayla Rahn recebeu o diagnóstico a 25 de maio, no dia seguinte estava na mesa de operações. Durante a cirurgia, os médicos removeram do ovário da paciente um quisto benigno de 23 quilos, chamado “mucinous cystadenoma” (cistoadenoma mucinoso).

De um modo geral, este tipo de quisto surge em pacientes com idades entre os 30 e os 50 anos. Na maioria das mulheres, tem cerca de cinco centímetros, mas em alguns casos pode crescer até 10 ou 15 centímetros.

O quisto de Kayla Rahn foi o maior que Gregory Jones já removeu.

Já tinha visto alguns, mas nunca um desse tamanho. Foi o maior que já vi ou operei”, afirmou o cirurgião ao BuzzFeed News.

Após a cirurgia, Kayla Rahn permaneceu durante alguns dias nos cuidados intensivos, enquanto os outros órgãos do corpo, que tinham ficado comprimidos no abdómen, começaram a voltar ao lugar, explicou o médico.

Recuperada, a norte-americana já perdeu 34 quilos desde a cirurgia e espera que a própria história sirva de exemplo e alerte as pessoas para a importância de procurem ajuda médica o mais cedo possível.

Cada pessoa tem de ser advogada de si mesma em relação ao atendimento médico. Se algo estiver errado, continue a pressionar o seu médico na busca de respostas para o seu problema”, aconselha.