“Os refugiados sírios são uma comunidade ideal para realizar este objetivo (revitalizar Detroit), uma vez que os árabo-americanos têm já uma presença vibrante e bem sucedida na área metropolitana de Detroit”, escrevem David Laitin, professor de Ciência Política na Universidade de Stanford, e Marc Jahr, antigo responsável da habitação em Nova Iorque.

Os dois sublinham no artigo que aquela cidade do norte dos Estados Unidos, “em tempos uma grande cidade, tornou-se um vazio urbano”.