Uma mulher norte-americana de 36 anos foi condenada esta sexta-feira a cem anos de prisão por atacar uma grávida e arrancar-lhe o bebé de sete meses da barriga. O caso aconteceu há pouco mais de um ano no estado norte-americano do Colorado.

O caso remonta a março de 2015. Michelle Wilkins, então com 26 anos, foi a casa de Dynel Lane, respondendo a um anúncio de venda de roupas de criança.

Lane fingia então estar grávida. Para continuar a alimentar a mentira, esfaqueou Michelle e arrancou a criança do útero da jovem. Depois, foi ao hospital, queixando-se que tinha sofrido um aborto espontâneo.

Dynel Lane era auxiliar de enfermagem. De acordo com os médicos que socorreram Michelle, a agressora conseguiu fazer uma incisão perfeita para retirar o feto. A vítima conseguiu chamar a polícia, foi socorrida e sobreviveu ao ataque.

Esta sexta-feira, Dynel Lane foi declarada culpada por tentativa de homicídio, interrupção ilegal de gravidez e agressão com arma branca. A juíza justificou a condenação a 100 anos pela brutalidade do crime.