Centenas de milhares de norte-americanos participaram este sábado em manifestações históricas contra as armas de fogo em várias cidades dos Estados Unidos, após a repetição de tiroteios em escolas. Ao todo realizaram-se cerca de 800 manifestações e desfiles em várias cidades do país e do mundo, com os jovens em destaque.

Em Washington, uma multidão percorria as avenidas entre a Casa Branca e o Capitólio, com a imprensa local a dar conta de mais de meio milhão de pessoas, adolescentes e adultos, a pedirem medidas para que se ponha fim à violência armada.

Em Nova Iorque, Atlanta, Chicago ou St. Paul (Minnesota), milhares de pessoas concentraram-se ao fim da manhã (hora local) para manifestar o seu apoio a este movimento pelo controlo das armas de fogo.

O protesto nacional surgiu em reação ao massacre de 14 de fevereiro, quando 17 pessoas foram mortas num liceu da Florida.

A frustração tem aumentado face à inércia dos legisladores e dos poderes públicos, que manifestam reservas em agir contra o poderoso 'lobby' norte-americano das armas de fogo, a NRA.

Na gigantesca manifestação de Washington viam-se cartazes a pedir que a situação não se repita.

Hoje é o começo de um novo e brilhante futuro para o nosso país. Saímos à rua para exigir leis de controlo de armas. Nós somos a mudança", afirmou perante a multidão Cameron Kasky, um dos sobreviventes do tiroteio de 14 de fevereiro na Florida.

Kasky, de 17 anos, foi um dos organizadores desta "Marcha pelas nossas vidas".

É assustador ir à escola sabendo o que se está a passar, é muito triste. Queremos uma solução em breve", disse à agência Efe Dayana Batres, uma estudante de 14 anos de uma escola secundária de Maryland, que participou neste protesto com a mãe e duas irmãs.

"Temos medo de ir à escola porque não sabemos se seremos os próximos", explicou Lauren Tilley, de 17 anos, citada pela AFP, que se deslocou da Califórnia para participar na iniciativa.

Desde o início do ano, já foram registados 33 incidentes com armas em centros educativos nos Estados Unidos, segundo dados da organização Everytown for Gun Safety.