O Presidente norte-americano, Donald Trump, assinou uma ordem executiva para acabar com a separação de crianças dos pais imigrantes na fronteira dos Estados Unidos.

Uma fonte da Casa Branca disse à agência noticiosa Efe que Trump assinou o documento para permitir que as crianças fiquem com os pais nos centros de detenção para os quais os imigrantes sem documentos são mandados durante longos períodos de tempo.

Contudo, Trump afirmou que a política de "tolerância zero" é para continuar.

Donald Trump tinha dito, ao início do dia, que ia assinar um decreto presidencial que acabaria com a separação das famílias de imigrantes ilegais na fronteira.

Vou assinar qualquer coisa em breve sobre o que se está a passar, queremos resolver este problema de imigração", disse Trump.

O presidente norte-americano revelou a medida esta quarta-feira, quando respondeu a perguntas de jornalistas, e o the New York Times avançou que para além desta decisão, o decreto definirá medidas de reforço de segurança na fronteira, para impedir a entrada dos imigrantes ilegais.

A CNN citou fonte presidencial para explicar o papel determinante de Melania Trump nesta decisão do marido, ela que criticou a separação das famílias e pediu "bom coração" aos políticos.

A primeira-dama tem estado a trabalhar nele nos bastidores, encorajando o Presidente a manter as famílias juntas, quer através de uma acção legislativa [no Congresso] ou de uma acção individual [um decreto presidencial]."

A secretária da Segurança Interna dos EUA, Kirstjen Nielsen, dirigiu-se de imediato para a Casa Branca para tratar do assunto, juntamente com Trump, que cancelou um piquenique que tinha em agenda.

São quase duas mil as crianças que foram retiradas dos pais desde que o attorney general (equivalente a ministro da Justiça) Jeff Sessions anunciou a política de "tolerância zero", com o objetivo de desencorajar a imigração sem documentos e que leva a que todos os imigrantes sejam acusados criminalmente.