O Exército sírio já conseguiu recuperar o controlo de partes da cidade histórica de Palmira, que estavam sob controlo do Estado Islâmico. A batalha dos últimos dias pode ter feito 300 mortos.
 
Em perigo, estão ainda as ruínas de Palmira, património da UNESCO. Os militantes do Estado Islâmico estão muito próximos das ruínas que têm influências gregas, romanas, persas e islâmicas. A UNESCO já fez um apelo ao Conselho de Segurança das Nações Unidas para que intervenha para evitar uma eventual destruição de património histórico semelhante à que aconteceu no Iraque.
 
Com vestígios que remontam ao Neolítico, Palmira foi fundada no segundo milénio antes de Cristo. Semitas, helénicos, romanos deixaram a sua marca neste oásis a meio caminho entre o Mar Mediterrâneo e o Rio Eufrates.
A UNESCO classificou a cidade como Património Mundial em 1980.