Morreu Asia Ramazan Antar, a jovem curda de 19 anos cuja luta contra o Estado Islâmico foi minimizada graças à sua beleza.

Descrita como a “Angelina Jolie do Curdistão”, Asia morreu alvo de ataques do grupo extremista no passado dia 30, no norte da Síria.

A jovem era combatente das Unidades de Proteção das Mulheres, uma organização militar feminina do Curdistão.

No ano passado, combatentes do sexo feminino conseguiram pressionar o país para aprovar leis que criminalizaram a violência contra as mulheres, o casamento forçado e a poligamia. Em resultado, foi criada uma divisão militar totalmente integrada por mulheres.

Nos meios de comunicação locais, e apesar de centenas de outras combatentes curdas morrerem em combate, Asia Antar mereceu grande atenção.

A jovem tinha integrado as Unidades Curdas de Proteção das Mulheres em 2015, nas quais adotou o nome Vivyan Antar.

Quando terminou o treino militar, foi enviada para a frente de batalha, contra os militantes do Estado Islâmico.

Nos últimos seis meses, seis dos seus primos e tios também morreram na luta contra o grupo extremista.