O diário espanhol El Mundo publicou este domingo vários SMS que alegadamente indiciam que Mariano Rajoy manteve um contacto direto de pelo menos dois anos com o antigo tesoureiro do Partido Popular, pedindo-lhe silêncio relativamente à contabilidade paralela no partido.

De acordo com o jornal, os SMS foram divulgados pelo próprio antigo tesoureiro, Luís Bárcenas - preso na cadeia madrilena de Soto do Real desde 27 de junho no âmbito do mega processo de corrupção - depois do seu partido se ter referido a ele na quinta-feira como um «delinquente que fez da mentira um estilo de vida».

O El Mundo diz que o primeiro-ministro, Mariano Rajoy, manteve um contacto direto e permanente (pelo menos entre maio de 2011 e março de 2013) com Bárcenas, com dezenas de mensagens e chamadas telefónicas, durante as quais lhe pedia paciência e que negasse a contabilidade paralela.

Entre as mensagens publicadas pelo jornal estão também algumas trocadas com Rosária Iglesias, mulher do ex-tesoureiro.

Em 2013, por exemplo, no dia em que o El Mundo publicou o esquema de pagamentos ilegais e depois de serem conhecidas as contas suíças, o primeiro-ministro terá escrito a Bárcenas incentivando-o a «ser forte» , expressando-lhe a sua compreensão.

Luís Bárcenas, refere o El Mundo, guardou silêncio durante anos pelo apoio que prestava pessoalmente a Mariano Rajoy, primeiro na qualidade de presidente do PP e depois enquanto chefe do Executivo espanhol.