Os nadadores salvadores de Xábia, província de Alicante, estão fartos que os banhistas desrespeitem a bandeira vermelha, mesmo depois de serem advertidos. Para combater os desrespeitos dos banhistas, os municípios espanhóis estão a aplicar multar aqueles que decidem ir a banhos mesmo com a bandeira vermelha hasteadas- A medida não é nova, em Portugal a lei também prevê coimas, mas os valores no país vizinho chegam a quantias bem mais avultadas: dos 750 euros aos três mil euros. 

Segundo a Real Federação Espanhola de Salvamento (RFESS), a imprudência dos cidadãos leva com que os afogamentos sejam uma das principais causas de morte. O número de afogamentos aumentou 14,66% durante os primeiros sete meses do ano de 2017, em relação ao ano anterior, segundo os dados revelados pelo El País. 

As praias tem correntes que são perigosas, mesmo não sendo visíveis pelos banhistas e pela ausência de ondas.

Apesar da bandeira vermelha as pessoas dizem que não é perigoso, e vão ao  mar”, afirma o município. Assim, os banhistas que desrespeitarem a bandeira vermelha vão sofrer uma coima de 750 euros.

Em Espanha, das 305 mortes por afogamento registadas de janeiro a julho, duas mortes foram na província de Alicante, de acordo com as autoridades espanholas. Para um maior controlo e para melhor aplicar as multas, o município de Xábia tem desde o ano passado uma patrulha policial em cada praia.

Apesar das medidas, este verão, e até ao momento, o município de Xábia, multou apenas uma pessoa.

Também em São Bartolomeu de Tirajana, município de Las Palmas, as multas tiveram um efeito dissuasor. Foi neste município que morreram mais banhistas, 71 em 437, de acordo com dados divulgados da Real Federação Espanhola de Salvamento.

Em São Bartolomeu de Tirajana, as coimas são mais pesadas e vão dos 750 euros aos 1.500 euros para os banhistas que desrespeitem a bandeira vermelha.

Depois de anunciar a medida, os banhistas deixaram de desrespeitar.”, disse o conselheiro do turismo.

A decisão de sancionar ou não os banhistas é responsabilidade de cada município, sem parâmetros mínimos e uma estrutura global. O município de Nijar, Almeria, acabou de aprovar o decreto de lei para permitir aos policías punir os infratores. Em Nijar é cobrado o mesmo valor que em Xábia, 750 euros, mas são poucos os municípios que estão a aplicar as sanções aos banhistas, como explica o conselheiro do turismo, Alexis Pineda, ao El País. 

Se tiver de ser realizado um resgate numa situação de desobediência, o banhista será multado e também terá de pagar os custos do resgate. Segundo dados da Associação Espanhola de Salvamento Aquático e Socorrismo (AETSAS), no ano passado foram registadas cerca de seis mil ocorrências que exigem uma ação dos nadadores salvadores.

Mas é nas praias de Cudillero, nas Astúrias, onde as multas são mais pesadas. Aqui, as sanções podem chegar aos três mil euros se o visado for reincidente. Este verão já foi multado um veraneante, no entanto, o valor é até ao momento desconhecido.

Em Portugal, o desrespeito da bandeira vermelha é punível com multas que vão desde os 55 euros aos 250 euros. No ano passado, foram multados sete banhistas, no ano de 2017 o número de coimas aplicadas já vai em quatro.