O restauro da imagem de São Jorge da Igreja de São Miguel, em Estella, na região espanhola de Navarra, está a dar muito que falar por causa do resultado obtido, por não ter sido feita por um especialista e não ter existido aviso prévio ao Conselho e Governo Regional.

A estátua de madeira policromada do século XVI ficou com um rosto rosado e uma armadura vermelha e cinzenta.

O trabalho feito com a estátua de São Jorge está a ser comparado, em termos de qualidade, ao restauro do fresco de Ecce Homo, que, há seis anos, também em Espanha, na cidade de Borja, ficou conhecido como “o pior restauro da história”.

 

O restauro feito não foi a adequado para esta estátua do século XVI. Foi usado gesso e a tinta errada e é possível que se tenham perdido as camadas de tinta originais.”, afirmou o prefeito de Estella ao The Guardian, depois de ter visto o novo São Jorge pessoalmente.

Koldo Leoz demonstrou publicamente, no Twitter, o seu descontentamento com o resultado final do restauro. 

Afirmada a opinião de que este trabalho deveria ter sido feito por especialistas, o prefeito de Estella revelou que já foram chamados profissionais de restauro para analisar e avaliar a possibilidade de desfazer o trabalho realizado e manter a imagem no estado original.

Koldo Leoz exige saber por que razão não existiu um comunicado ao Conselho Regional relativo à intenção de realizar este restauro.