Morreu o escritor norte-americano Tom Wolfe, anunciou a sua agente nesta terça-feira, citado pela agência Associated Press (AP).

Tom Wolfe, considerado o pai do "novo jornalismo", tinha 88 anos e estava internado num hospital de Manhattan, em Nova Iorque, devido a uma infeção na sequência de uma pneumonia, indicou Lynn Nesbit. Morreu na segunda-feira.

O autor vivia em Nova Iorque desde 1962, quando integrou o New York Herald Tribune como repórter.

Escreveu sobre tudo, desde hippies a astronautas, antes de se dedicar à ficção, sempre com "muitos pontos de exclamação, itálicos e palavras improváveis", escreve a AP.

Também o The New York Times, que avançou a notícia, descreve o autor de "A fogueira das vaidades", assim editado em Portugal, como um jornalista inovador cuja prosa tecnicolor e exageradamente pontuada deu vida a surfistas californianos, personalizadores de carros, astronautas e caçadores de status financeiro.

Best sellers como "The Right Stuff" e a "A Fogueira das Vaidades" ("The Bonfire of the Vanities" no original) foram adaptados ao cinema.