Em pleno século XXI, há 36 milhões de escravos no mundo, o que representa 0,5 por cento da população mundial, de acordo com índice de escravidão no mundo, que a Walk Free divulga. Portugal também aparece no ranking dos países com escravos.

A Walk Free identifica como escravos todos aqueles que são forçados a trabalhar, que trabalham para pagar dívidas, vítimas de tráfico, de exploração sexual em troca de dinheiro e aqueles que são obrigados a casar e tornam-se criados dos esposos. Algumas destas vítimas são muito novas, com apenas cinco ou seis anos de idade, de acordo com Organização Internacional para as Migrações.

Numa destas condições encontram-se os 36 milhões que a organização identificou, um número que subiu 20 por cento em comparação com 2013. E em 2012 era estimado estarem nestas condições 21 milhões, segundo o índice da Organização Mundial do Trabalho que a BBC recorda.

O relatório identifica a Índia como um dos países com mais casos – 14 milhões -, acompanhado por Mauritânia, Qatar, Haiti, Uzbequistão, mas o flagelo foi identificado em 167 países, na maioria na Ásia e em África, mas também há presença na Europa. Portugal surge na 157ª posição, com 0,013 por cento de casos.

Perante estes números do Global Slavery Index, a Walk Free pede mais ação por parte dos governos, com legislação que puna e endureça as medidas contra aqueles que abusam dos direitos dos outros.

Conheça as conclusões do relatório na íntegra  aqui.