O início do ano letivo em França começou, esta quinta-feira, para 12 milhões de crianças e jovens sob fortes medidas de segurança, cenário que o governo francês quer manter durante o ano. Para isso, no currículo dos alunos passa a estar incluído a realização de três exercícios anuais para ensinar as crianças sobre o que fazer em caso de um atentado terrorista.

Os ataques do último ano em França obrigam a que o governo considere a possibilidade de radicais virem a atacar um estabelecimento de ensino, e por isso, a partir deste ano, uma espécie de simulacro será realizado três vezes por ano, sendo que pelo menos em uma das ocasiões existirá alguém que se fará passar por um atacante.

Como escreve a Associated Press, que cita o ministro da Educação, Naiat Vallaud-Belkacem, e o ministro do Interior, Bernard Cazaneuve, o tipo de exercício vai variar consoante a idade das crianças, sendo que para os meninos(as) com idades entre os 2 e os 6 anos (pré-escola e escola primária), não serão feitas referências aos ataques terroristas. As crianças vão apenas ser ensinadas a esconder-se e a não fazerem barulho em caso de perigo.

Já os jovens mais velhos, com idades entre os 13 e 14 anos, bem como os delegados de turma, além dos exercícios vão receber aulas de suporte básico de vida, aumentando significativamente os 30% que já recebem o treino atualmente.

O ministro da Educação garante que as medidas são necessárias e que não se trata de uma “paranóia”.

Não é uma questão de sucumbir ao pânico ou à paranóia, mas sim enfrentar as nossas responsabilidades. [As medidas de segurança] servem para prevenir o risco de um ataque e ao mesmo tempo garantir uma atmosfera serena nas escolas”, afirmou Vallaud-Belkacem, segundo a AP.

O controlo de adultos que entram nas escolas também vai ser reforçado, nomeadamente, através de verificação de BI’s e revistas.

O governo francês vai disponibilizar 50 milhões de euros para as Câmaras locais, para cobrir custos com renovação de equipamentos de segurança nas escolas, como intercomunicadores com câmaras e novos sistemas de alarmes.