Uma atração turística em Valkenswaard, a 136 quilómetros de Amesterdão, Holanda, tem sido criticada pelo seu mais recente desafio.

Tudo porque um jogo, que consiste em encontrar uma maneira de sair de um quarto misterioso em menos de uma hora utilizando todo o tipo de objetos, parece ter sido inspirado no apartamento onde Anne Frank se escondeu com a família durante a ocupação nazi.

A Fundação Anne Frank foi uma das principais críticas da atração.

Inspirar-se naquele anexo para um jogo destes é mostrar muito pouca empatia pelos sobreviventes do Holocausto”, explicaram os responsáveis, adiantando que o jogo cria a ideia que se esconder dos nazis “é um jogo entusiasmante e se aqueles que se escondem forem espertos o suficiente não serão apanhados”.

Citada pelo jornal The Independent, a Fundação considerou ainda o jogo "condescendente".

A companhia de aventuras Escape Bunker viu-se obrigada a pedir desculpas pelo jogo que gerou muita controvérsia.

A organização explicou que "não teve intenções de ofender ninguém" e adiantou que iria fazer algumas alterações ao jogo.

Anne Frank, oriunda de uma família judaica alemã que se viu forçada a abandonar a Alemanha, refugiando-se na Holanda, quando Hitler subiu ao poder e deu início a uma política de perseguição e extermínio de judeus, tornou-se conhecida pelo seu diário. Nele, descrevia o seu dia-a-dia num anexo dissimulado na casa da sua família em Amesterdão, no qual viveu escondida de junho de 1942 a agosto de 1944, até serem descobertos e levados para os campos de concentração. 

O "Diário de Anne Frank" vendeu mais de 30 milhões de cópias em todo o mundo e foi traduzido em mais de 60 idiomas.