O presidente e CEO da companhia aérea Korean Air demitiu as filhas das suas funções administrativas por causa de comportamentos abusivos e inapropriados que estas têm vindo a protagonizar. A informação foi avançada pelo próprio CEO da empresa através de um comunicado, citado pela CNN.  

Na nota, Cho Yang-ho começou por lamentar o comportamento das filhas, pedindo desculpa a todos os coreanos. 

Enquanto presidente da Korean Air e como chefe da minha família, sinto-me triste pelo comportamento imaturo das minhas filhas. Peço desculpa a todos os coreanos", escreveu Yang-ho no comunicado, citado pela CNN. 

Uma das filhas, Heather Cho, vice-presidente da empresa na altura, esteve no centro de uma polémica há quatros anos quando ordenou a meio de um voo que o avião regressasse ao destino de origem para expulsar um dos membros da tripulação.

Heather sentiu-se insultada porque foram-lhe dados frutos secos dentro de um pacote, em vez de num prato de porcelana, como dita o protoloco. Uma atitude que lhe valeu uma condenação de um ano de prisão (por violar a lei da aviação), tendo esta cumprido apenas cinco meses. 

Mas a gota da água aconteceu recentemente quando a outra filha, Emily Cho, diretora de marketing, despejou um copo de água na cara de um funcionário de uma agência de publicidade durante uma reunião de negócios no mês passado. Apesar de ter pedido desculpa pelo sucedido, os restantes representantes exigiram que Emily se demitisse após o incidente que está, inclusive, a ser investigado pela polícia. 

De acordo com o The Guardian, a polícia de Seul disse que tinha iniciado uma investigação formal sobre Emily com base nos depoimentos das pessoas que estavam na reunião. 

Mas a controvérsia em torno da companhia área não fica por aqui. Mais de 560 mil sul-coreanos assinaram uma petição dirigida ao governo, onde era exigido que a Korean Air tirasse a palavra "Korean (Coreia)" do nome, na sequência deste e de outros casos de abusos de poder por parte das famílias de grandes empresas.