Uma nova espécie de dinossauro foi descoberta por cientistas americanos, depois de ter sido encontrado um fóssil que esteve guardado durante duas décadas. O animal teria mais de nove metros de comprimento e um nariz tão grande que os cientistas o apelidaram de «O Nariz Rei».

Os restos mortais do dinossauro foram encontrados no Museu da Universidade de Brigham, no estado norte-americano do Utah. Segundo os investigadores, o fóssil terá sido descoberto pela primeira vez em 1990, na formação rochosa de Nelsen.

De acordo com a equipa de investigadores, foram precisos mais de dois anos para reconstruir o esqueleto do animal e, apenas durante esse processo, foi possível perceber que se estava perante uma nova espécie, agora designada de «Rhinorex Condrupus» (Rhinorex significa «O Nariz que é Rei»).

«Tínhamos o crânio quase completo, o que era ótimo, mas a preparação foi muito difícil. Demoramos dois anos só para retirar o fóssil do arenito em que estava incrustado», explicou o Professor Rodney Gates, líder da equipa de cientistas, ao «NC State News».

A partir dos ossos recuperados, os paleontologistas acreditam que o Rhinorex tinha um pouco mais de nove metros de comprimento e pesava quase quatro toneladas.

O animal terá vivido a cerca de 80 quilómetros da costa do Utah, há 75 milhões de anos, no fim do período Cretáceo.

Este é o primeiro fóssil completo de uma espécie do grupo dos hadrossauros - os dinossauros bico de pato - que habitava aquela região.

Mas se a descoberta vem ajudar os investigadores a explicar aspetos sobre a vida e a extinção destes animais, um novo mistério fica por desvendar: por que tinha o Rhinorex um nariz tão grande?

«O propósito de um nariz tão grande ainda é um mistério. Talvez fosse usado para atrair o parceiro ou para reconhecer membros da sua espécie. Ainda estamos a trabalhar nas hipóteses para estas questões», afirmou o Professor Gates.