Uma enfermeira de um hospital do Texas, nos Estados Unidos, foi infetada com o ébola, depois de ter tratado do liberiano Thomas Duncan, que acabou por morrer da doença. A notícia foi confirmada oficialmente pelo hospital e constitui o primeiro caso de contágio no país.

As autoridades de saúde norte-americanas admitem que uma falha de segurança no protocolo, possivelmente no momento em que o fato de proteção foi removido, poderá ter estado na origem do contágio.

Todos os funcionários de saúde que estiveram em contacto com Thomas Duncan, que morreu a semana passada, estão em alerta para uma possível infeção, como afirmou o responsável pelo Centro de Prevenção e Controlo de Doenças dos Estados Unidos, Thomas Frieden. 

As autoridades não descartam, por isso, a hipótese de a doença vir a ser detetada nos funcionários ou em pessoas que estiveram em contacto com eles.  «Se estes indivíduos foram expostos, é possível que outros também o tenham sido», justificou.

As autoridades estão a vigiar 48 pessoas que contactaram com Duncan durante a hospitalização, e também estão a tentar descobrir quem esteve em contacto com a enfermeira agora infetada.

Frieden adiantou ainda que estão a ser investigados todos os processos que envolveram o tratamento a Duncan para apurar as razões do contágio.

«Estamos a investigar todas as intervenções que foram feitas para manter Duncan vivo. Isto inclui os processos de diálise e intubação, que apresentam maiores riscos», garantiu.

Depois do caso da auxiliar de enfermagem espanhola que ficou contaminada com o vírus após ter estado em contacto com um missionário que morreu da doença, este caso nos Estados Unidos volta a questionar a eficácia das medidas de isolamento e segurança estabelecidas para o tratamento do ébola.

O presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama, ordenou que se realize «o mais rápido possível» uma investigação à «aparente» falha nos protocolos de controle de infeção.

De acordo com um comunicado divulgado pela Casa Branca, Obama falou por telefone com a secretária de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, Sylvia Burwell, sobre o contágio que ocorreu no hospital de Dallas, no Texas.

Obama pediu ainda que as autoridades federais de saúde tomem medidas adicionais «imediatas» para garantir que os hospitais e os fornecedores de cuidados de saúde em todo o país estejam «preparados»para seguir os protocolos adequados no tratamento do vírus.

A enfermeira «está estável» e isolada, e será submetida a um segundo teste para a confirmação definitiva do contágio.

O ébola já matou mais de quatro mil pessoas.



Notícia atualizada às 19:06