A irlandesa Emily O¿Reilly assume na terça-feira o cargo de provedora de Justiça europeia, apontando como uma das suas grandes prioridades «ajudar a preencher e ultrapassar o fosso» que existe entre os cidadãos e as instituições da UE.

Eleita em julho passado para suceder ao grego Nikiforos Diamandouros, que ocupou o cargo de provedor durante mais de 10 anos, O¿Reilly, a primeira mulher a desempenhar as funções de provedora europeia, comentou hoje que «a Europa enfrenta não apenas uma crise económica, mas também uma crise de legitimação política».

«O negativismo e divisão estão a aumentar na Europa, a confiança dos cidadãos nas instituições europeias está em declínio e muitos sentem que a sua voz não conta. Um dos meus papéis proativos como Provedora é o de realçar as preocupações dos cidadãos e de ajudar a preencher e ultrapassar o fosso existente entre estes e as instituições da UE», declarou.

Emily O¿Reilly, eleita em julho passado numa votação no Parlamento Europeu, substitui o grego Nikiforos Diamandouros, que se reforma, e estará em funções até às eleições europeias do próximo ano, uma vez que o Parlamento Europeu deve eleger um novo provedor no início de cada legislatura.

O provedor de Justiça Europeu investiga as queixas sobre má administração nas instituições e órgãos da União Europeia, realiza inquéritos com base em queixas, podendo também abrir inquéritos por iniciativa própria.