Os Conservadores de David Cameron conseguiram eleger 331 deputados, assegurando assim a maioria absoluta. Com os 650 círculos eleitorais escrutinados, o Partido Conservador elegeu 331 deputados. Os resultados contrariam assim os números das sondagens dos últimos dias que consideravam esta noite eleitoral como uma das mais renhidas dos últimos anos, atribuindo um empate entre Conservadores e Trabalhistas. 

O primeiro-ministro britânico, que renovou o seu lugar pela circunscrição de Witney, já reagiu às primeira projeções, destacando a "noite muito forte" dos "tories".

"Esta é claramente uma noite muito forte para o Partido Conservador. Eu acho que deu uma resposta a uma campanha positiva sobre proteger a nossa economia, a criação de empregos, o nosso balanço no governo ao longo dos últimos cinco anos."


Por sua vez, os Trabalhistas de Ed Miliband, os grandes derrotados desta noite eleitoral, só conseguiram eleger 232 deputados. Miliband apresentou a demissão do cargo de líder do partido, segundo fontes da BBC.

Miliband  assumiu a derrota ainda antes de a maioria absoluta dos Conservadores ser confirmada. No Twitter, demonstrou logo a sua desilusão perante os primeiros números divulgados. Numa "noite difícil para o Partido Trabalhista", agradeceu a todos os militantes e apoiantes do partido. 
 
Quem também sai derrotado destas eleições é o Partido Liberal Democrata, de Nick Clegg que só conseguiu eleger oito deputados, ou seja, o partido perdeu 48 lugares na Câmara dos Comuns. Clegg conseguiu manter o seu assento, mas já se demitiu da liderança do partido.

Os nacionalistas escoceses (SPN) liderados pela primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, protagonizam uma das grandes surpresas da noite: conquistaram 56 dos 59 lugares destinados à Escócia. Assim, o partido, que tinha apenas seis lugares no Parlamento, consegue ver o seu número de deputados multiplicar por nove. Sturgeon já afirmou à BBC, que apesar de ter sempre esperado um bom resultado "nunca imaginou os 56 lugares". 

 
Alex Salmond, antigo líder do SPN, foi eleito pelo círculo eleitoral de Gordon e já reagiu ao resultado do partido, afirmando que o leão escocês voltou a "rugir". Recorde-se que o ex-primeiro-ministro escocês foi o promotor do referendo sobre a independência da Escócia.

O anti-europeísta e líder do Partido da Independência do Reino Unido (UKIP) Nigel Farage não foi eleito pelo círculo de Thanet South e, por isso, também se demitiu. O UKIP só elegeu um deputado para a Câmara dos Comuns: o antigo conservador Douglas Carswell foi eleito pela circunscrição de Clacton. 

O Plaid Cymru do País de Gales deverá conquistar três lugares, os Verdes um lugar e os restantes assentos deverão ficar completos com outros partidos menos representativos.

A primeira deputada eleita esta esta quinta-feira à noite no Reino Unido foi Bridget Phillipson, do Partido Trabalhista, no círculo eleitoral de Houghton & Sunderland South, que arrecadou 55,13% dos votos.

Já o primeiro conservador foi eleito por volta das 00:40. Trata-se de Justin Tomlinson, eleito pelo círculo de Swindon North. O lugar já era seu desde 2010.


RESULTADOS FINAIS OFICIAIS: 
Conservadores - 331
Trabalhistas - 232
SNP - 56
Liberais Democratas - 8 
UKIP - 1 
Outros - 23 

RESULTADOS FINAIS OFICIAIS EM %:
Conservadores - 36.9%
Trabalhistas - 30.4%
UKIP - 12.6%
Liberais Democratas - 7.9%
SNP - 4.7%
GRN - 3.8%

O sistema eleitoral do Reino Unido não permite olhar para as percentagens e daí deduzir o número de deputados. O UKIP, por exemplo, embora surja como terceira força política, só elegeu um deputado. Os 650 círculos eleitorais elegem, cada um, um deputado. Os votos da Inglaterra, Irlanda do Norte, País de Gales, Escócia não têm todos o mesmo peso.